Voltar - Página Inicial Comentários Contactos Links Mapa do Site Definir como Homepage Adicionar aos Favoritos Canal de Conversação
Search

Notícias Equestres


Síntese avaliativa do VI Congresso Mundial das Cidades Taurinas
05/11/2003
O VI Congresso Mundial das Cidades Taurinas que decorreu de 23 a 26 de Outubro, em Santarém, mais correctamente na Estação Zootécnica Nacional, terminou com a Assembleia Geral da respectiva Confederação que reuniu dezasseis dos municípios aderentes.

Em breve síntese avaliativa, a seguir se apresentam as ideias força do teor dos trabalho do Congresso:

01. O VI Congresso Mundial das Cidades Taurinas constituiu um acontecimento que (à semelhança de outras realizações como a Feira Nacional do Toiro realizada em Santarém), deixará sem dúvidas marcas para o futuro não apenas da festa de toiros universal, mas, de modo mais geral, sobre o modo como as cidades se devem relacionar com as suas culturas, com as potencialidades, com os espaços de relação e de encontro com o mundo.

02. Quanto aos aspectos mais formais, o sucesso foi inequívoco. O Congresso, dedicado ao tema “A Festa, Lugares de Encontro”, foi fértil em acontecimentos, desde o programa de debates e actos culturais, até à Assembleia Geral da Confederação Mundial das Cidades Taurinas. Apenas o tempo esteve desfavorável, impedindo as duas novilhadas previstas.

O Congresso contou com mais de uma centena de participantes, portugueses, franceses, espanhóis, sul americanos que visitaram e descobriram a cidade de Santarém, e nela se encontraram com outras gentes, outras terras, outras culturas.

03. Nas Conferências participaram trinta e quatro oradores e moderadores, vindos de Portugal (20), Espanha (10), França (3) e Peru (1). Vieram conferencistas de Universidades, de áreas como, Comunicação Social, Artes Plásticas e Literatura, Ciências Médicas, Veterinárias e das Ciências Sociais, do campo da Gastronomia, da Música, da Museologia, do editorialismo e do mundo do Toureio. Começou a cumprir-se o desígnio de “Lugares de Encontro”.

04. O nível intelectual e o interesse das comunicações ouvidas, superou o nível já de si muito elevado dos currículos dos intervenientes. Foi de facto incomum e diremos mesmo inédito neste tipo de acontecimentos, o padrão de qualidade atingido e, dizêmo-lo conscientes de que estamos a falar de um acontecimento internacional. Falamos por testemunho dos participantes e não como organizadores. O grande público poderá comprová-lo quando se publicarem as actas do Congresso e se divulgarem as conclusões havidas.

05. Porém, desde o início a organização pretendeu que o acontecimento não se limitasse ao circulo dos participantes nas sessões do Congresso. Por isso reservou o momento culminante, a Mesa Redonda “As Cidades e os seus Toureiros”, com participação de Conchita Cíntron, Nuno Megre, Ricardo Chibanga, Rui Salvador, Vitorino Martin, Victor Mendes e Fernando Fernandez Róman, para abrir o Congresso à população que esgotou completamente o Auditório da Casa do Brasil, para um Colóquio que ficará na memória.

06. Também por esta comunicação entre Congressistas e a Cidade, este Congresso poderá servir de referência para o futuro.

07. As figuras do toureio encontraram-se com o público. Mas Santarém foi lugar de muitos outros encontros. Desde logo, encontro entre gente de Cidades diferentes, pelo que se falou da identidade de cada um, mas também do universo comunicacional que os une a todos, pelo amor ao toiro.

Encontro entre ideias, sensibilidades, áreas do saber e do sentir que, tal como os diversos sentidos que fazem das cidades realidades vivas, captam cada qual na sua perspectiva a realidade, contribuindo para o conhecimento comum.

Encontro entre o passado o presente e o futuro da Festa de Toiros, que se constituiu em memória mas também em referencial valorativo direccionado ao futuro e ao desenvolvimento.

Encontro entre a linguagem emotiva das artes, a pintura, a música, o toureio – e a investigação e o conhecimento científico.

Encontro entre a forma de viver em cada momento que passa e a acumulação das expressões criadas, das mais fugazes, às mais perenes, que constituem património. A este nível também se falou de arquitectura e de museologia e da necessidade reconhecida de criação de espaços “vivos” de afirmação deste mesmo Património Cultural comum: Museu.

08. Importa aqui realçar, a necessidade sentida de se incrementarem os estudos, nomeadamente entre outros, os de investigação no âmbito das Ciências Sociais desta realidade cultural e social constituída pela Tauromaquia.

A este nível saúda-se e destaca-se o Prémio de Investigação criado pela Câmara Municipal de Santarém, com o patrocínio da Caixa Geral de Depósitos, relativo ao estudo dos Forcados.

Do resultado da Assembleia Geral, cabe destacar a eleição dos corpos sociais para o próximo biénio, sendo que a Direcção será presidida pela Câmara Municipal da Moita (Portugal), acompanhada pelos Municípios de Arles (França) e Olivenza (Espanha).

A Assembleia Geral será liderada por Vila Franca de Xira (Portugal), em conjunto com Almeria (Espanha) e Azambuja (Portugal).

Quanto ao Concelho Fiscal, a presidência de Placenta (Espanha), terá a companhia dos Municípios Portugueses de Santarém e Barrancos.

Por outro lado, importa ainda destacar a decisão de que caberá à cidade Francesa de Arles a organização do próximo Congresso Ordinário, em 2005, tendo no entanto sido decidida a organização de um Congresso Extraordinário no próximo ano, em Olivenza.

De registar ainda a adesão de alguns municípios à Confederação, como foram os casos de Olivenza e Setúbal.


(©) Copyright Cavalonet 2000 - 2013